Sou sportinguista desde que me conheço. Comecei a ir ao futebol com o meu pai tinha 4 ou 5 anos e mais tarde tive a oportunidade de acompanhar um meu tio que passava os dias no velho Alvalade e cada visita ao estádio ou antigo pavilhão era uma alegria. Decorei o nome dos jogadores de futebol e das modalidades, comprei os seus cromos e quando não havia cola cheguei a colá-los com farinha e agua. Eram para mim referências.

Fiz noitada para ver o Carlos Lopes a ganhar a primeira medalha olímpica de Portugal, fui disparado para o estádio quando vencemos o Salgueiros e voltámos a ser campeões ao fim de 18 anos. Chorei com a perda em casa da taça uefa e vi o Sporting perder injustamente alguns campeonatos, mas em todas as situações sempre senti orgulho em ser do Sporting e nos seus jogadores, mesmo não ganhando no futebol tanto como outros clubes.

Ser do Sporting para mim não são só as vitorias e acredito que para todos os sportinguistas esse valor não é o mais relevante e é também isso que nos diferencia. Só isso explica o número de adeptos que todos os anos se predispõem a acreditar que é desta e todos os jovens que nunca tendo visto o Sporting ser campeão em futebol são fiéis defensores dos pergaminhos do clube.

Nunca antes escrevi sobre o Sporting. Limito-me às discussões entre amigos sportinguistas e adeptos de outros clubes e que são o verdadeiro sal do desporto. A rivalidade leal apimentada com as picardias naturais, educadas e saudáveis entre amigos. Estas picardias fazem parte da própria amizade. Quantos de nós não temos os tais amigos que gostamos de picar e que se fossem todos do Sporting isto não tinha graça nenhuma.

Hoje sinto-me triste como nunca me senti. Sinto que parte importante de mim morreu.

Não… não foi o Sporting. Esse mais dirigente menos dirigente, mais paineleiro menos paineleiro, mais jogador menos jogador, continuará, cairá mas voltará a levantar-se, não sei é se com adeptos diferentes no seu sportinguismo. Diferentes na forma como encaram dirigentes, potenciais dirigentes, jogadores e comunicação social.

Sinto-me triste porque pela primeira vez não quero saber mais noticias do Sporting pois magoam-me, não quero saber da seleção pois vou ver caras que não quero ver, não quero saber do futebol pois as noticias fazem com que tenha deixado de acreditar que é uma atividade em que ganha sempre o melhor e não quero ver televisão pois sinto que estou a ver um circo montado para me magoar propositadamente.

Poderia dizer que comecei a sentir este desalento quando do ataque à academia mas não. Começou quando do nada o Presidente Bruno Carvalho faz uma chantagem aos sócios por uma assembleia geral que não compreendi a relevância e me pareceu um disparar para onde não se podia (para os próprios sócios).

Seguidamente veio o post de Madrid. Aqui fiquei dividido. Contestei a falta de tacto do presidente no que escreve mas não aceito de forma alguma a resposta dos jogadores. Fica claro que a relação está podre mas para mim dirigentes e jogadores passam o que me interessa é que os interesses do clube estejam a ser salvaguardados. Começo a sentir-me a acreditar numa cabala quando vejo uma atitude estranha no jogo com o Benfica que depois é consolidada pela negativa na Madeira…. E começa a loucura que vai descambar no ataque à Academia.

Vejo com uma tristeza enorme desde essa data tudo a falar do Sporting pelas piores razões e compreendo que o assunto é notícia. Não compreendo no entanto uma coisa. Os jogadores foram obviamente vítimas mas até esta data há um facto que não vejo ninguém falar, não foram só os jogadores as vitimas, o Sporting, seus sócios e adeptos foram igualmente vitimas. Pergunto-me… ouviram neste mês alguém sportinguista ou não dizer isto ou pelo contrário passa-se a imagem de que os jogadores foram vítimas e o Sporting culpado. Não havendo nenhuma informação até à data de intervenção de alguém representante do Sporting no ataque, o Sporting instituição é vítima.

Agora vem a parte pior…. O Sporting foi vítima de um ataque às suas instalações e aos seus ativos e os jogadores respondem atacando novamente o Sporting e os seus adeptos. Isto não faz de todos nós vitimas dos inconscientes que atacaram as nossas instalações e vitimas dos jogadores? Será que isto não é claro? Somos duplamente vítimas!
Têm todos noção (Jogadores, dirigentes, comentadores nas televisões) do mal que estão a fazer aos adeptos do Sporting e aos adeptos de futebol? Olhamos para a comunicação social e vemos sportinguistas a defender a rescisão dos jogadores (para atacar o presidente) e a pôr em causa os interesses do Sporting. Ataquem o presidente à vontade, não é preciso procurar muito para encontrar argumentos, mas atacarem o Sporting somente porque a sua raiva ao presidente é maior que o amor ao Sporting não percebo.

Dirigentes e antigos dirigentes a cortar a eito, a culpa é de uns, a culpa é de outros…. Ninguém pára para pensar no Sporting. Quero lá saber de quem é a culpa. Parem com isto! Não se consegue ver um lado bom e outro mau, só se vê lados maus. Onde é que há uma alternativa credível? De um lado um imprevidente que não tem qualquer tacto na gestão de pessoas e de outro um conjunto de wannabes que querem é espaço público televisivo e queimar a imagem do outro o mais que podem. Como comentadores do Sporting nas televisões só aparecem figuras que ninguém conhecia até há duas ou três semanas ou jogadores que já no passado trocaram o Sporting por outro clube pela porta pequena e que não querem saber do Sporting para nada, só querem dizer mal do presidente.

Ok digam o que quiserem do presidente, mas dizerem que os jogadores são uns coitadinhos e que do outro lado está o diabo é comer gelados com a testar e gozar com a inteligência alheia. De um lado está um presidente em total desorientação e do outro jogadores oportunistas que não se importam com o dano causado à instituição desde que sintam que vão ter um bom contrato noutro lado. Não estão a rescindir com o presidente, estão a rescindir com o Sporting.

Os comentadores ditos independentes não estão a perceber a dimensão do que está a acontecer. A raiva ao presidente do Sporting é tal (e em alguns casos com razão pois foram atacados de uma forma pessoal) que se esquecem que estão a dar uma facada no seu próprio ganha pão. Se como me está a acontecer a mim alguns milhares de outros sportinguistas virem morrer o seu interesse pelo futebol, vão desaparecer shares, vendas de jornais,… e o seu papel esmorece pois só valem pelas pessoas que se dispõem a ouvir a sua opinião. Os comentadores de outros clubes compreendo melhor. A parte emocional está treinada para a picardia e aproveitam para cavalgar a onda. Esquecem no entanto que o campeonato português já é por sí só desinteressante com somente 3 equipas a que se toma atenção. Se passarem a ser 2 e 1/3 dos adeptos do futebol nem quiserem saber do que se passa. As suas vitorias manterão a mesma relevância?. Será interessante após uma vitoria encontrar-se um amigo que genuinamente nem quer saber, em que estarem a dizer que ganharam o campeonato de futebol ou um concurso de tricot dá igual.

Subbuteo-Sporting

No meio disto tudo a grande facada na minha visão do futebol veio dos jogadores. Foram vítimas mas tornaram-nos duplamente vitimas. Pode-se dizer “mas deram muito ao sporting” sim, em alguns casos fizeram o seu trabalho com profissionalismo, de nenhum posso dizer que deu mais que isso. “Ahh mas o Rui Patrício deu muitos pontos ao Sporting”, pois deu, mas se o Sporting não tivesse tido Rui Patricio teria jogado sem guarda-redes? Ou estaria lá outro que também teria dado pontos e perdido pontos como o Rui Patrício (engraçado como só escrever o nome me irrita). O Sporting deu ao Rui Patrício a oportunidade, ele teve a capacidade de a aproveitar mas se calhar se outro a tivesse tido também a teria aproveitado e se calhar o Rui Patrício era hoje um empregado de Call Center. O mesmo vale para todos os outros formados na Academia. O Bas Dost marcou muitos golos sim. Mas foi o Sporting que lhe deu a oportunidade, se não a tivesse tido poderia estar a aquecer um banco de suplentes por esse mundo fora. O mesmo vale para o Bruno Fernandes.

Uma coisa aprendi com estas rescisões. Ídolos só quando terminam a carreira e não têm como nos desiludir. Aos jogadores que rescindiram com o Sporting causando danos de extensões ainda não avaliáveis na sua plenitude só desejo que no resto da sua vida tenham todos os dias a paga pelo que me fizeram a mim e aos outros sócios e adeptos de Sporting. Que as suas mulheres, amigos e companheiros de trabalho sejam tão leais nos momentos difíceis como eles o foram.

Hoje estava a ver as tristes notícias no meu telemóvel e a minha filha pediu-me o telemóvel pois queria ver uns vídeos de desenhos animados no youtube. Estava na Tasca a ler comentários e ela viu o símbolo do Sporting. Ela para me agradar disse na sua ingenuidade “Também gosto muito do Sporting” e eu senti uma tristeza enorme e disse em voz alta o que pensei “não é a altura certa para gostares do Sporting”, ela ainda não tem idade para compreender e disse “o que?” e eu senti uma sensação que nunca tinha sentido, por um lado não consigo deixar de amar o Sporting, por outro não quero que ela nunca sofra como eu sofri hoje com as rescisões dos jogadores.

Imagino outros sócios e adeptos com filhos maiores e com camisolas, cromos, livros e posters dos seus jogadores. Deve ser um pesadelo explicar-lhes e uma quantidade de coisas que só se quer é deitar ao lixo.
O que desejo é que todos parem para pensar que acima deles está o Sporting, que o presidente perceba que tem de dar a voz aos sócios pois apesar de ter sido eleito legitimamente as condições mudaram e tem de voltar a ser legitimado se quiser continuar.

Quero que a mesa da assembleia geral que acabe com guerras procure pontes de dialogo com o CD e garanta que são marcadas eleições em que todos se podem candidatar e que até à sua realização o CD se mantem em funções para garantir que se pode preparar dentro do possível a nova época. Quero que quem quer que seja que dê seguimento nos tribunais à contestação da justa causa dos jogadores que não se ponha a fazer maus acordos com a desculpa que foi o melhor que pode fazer pois a anterior direção fez tudo mal. Quero que os interesses do Sporting sejam protegidos até às últimas consequências mesmo que isso demore mais tempo e dê mais trabalho. Quero que este caso seja levado às instancias internacionais, se for um novo caso Bosman nos contratos que o seja.

Estas serão provavelmente as primeiras e ultimas linhas que alguma vez escreverei sobre o Sporting, faço-o em desabafo e para a minha própria organização de ideias. Estou aqui sentado no computador a escrever como se estivesse a falar comigo mesmo. Como a Tasca é dos poucos espaços em que vejo diferentes opiniões em debate sem que haja uma orientação que procure toldar o discurso opto por lhe enviar o texto como forma de enviar uma mensagem aos sportinguistas: nunca se sintam sós! Estamos todos a viver o mesmo!

ESTE POST É DA AUTORIA DE… Luís Magalhães
*às quartas, a cozinha da Tasca abre-se a todos os que a frequentam. Para te candidatares a servir estes Leões, basta estares preparado para as palmas ou para as cuspidelas. E enviares um e-mail com o teu texto para atascadocherba@gmail.com